segunda-feira, 5 de junho de 2017

SandShark âncora para fixação de neuroestimuladores de pulsos


JUNE 5TH, 2017 - A maioria dos sistemas de neuroestimulação implantáveis consistem em um gerador de pulso, que parece um marcapasso, e os fios de eletrodos através dos quais a corrente elétrica é entregue. A Stimwave Technologies, de Ft Lauderdale, na Flórida, desenvolveu sistemas de neurostimulação em que apenas o componente eletrodo é implantado, enquanto a energia é entregue de forma sem fio através de um dispositivo separado colocado contra a pele perto do implante.




Agora, o sistema de âncoras injetáveis ​​percutâneas da SandShark da empresa foi aprovado na Europa, e ajuda a afixar os neuroestimuladores sem fio implantáveis ​​da Stimwave dentro do tecido alvo.

A implantação é um procedimento minimamente invasivo que pode ser realizado em um ambiente ambulatorial. Envolve primeiro a injetação do estimulador, que tem apenas alguns milímetros de comprimento, e depois desliza o SandShark sobre o implante e empurra-o para os ligamentos ou outros tecidos conjuntivos rígidos. A âncora pode ser vista sob fluoroscopia de raios-X, e uma vez no lugar, o mecanismo é ativado para abrir as asas da âncora para que esta seja travada no lugar. A orientação do implante é preservada durante o processo, ajudando a garantir que ele esteja alinhado adequadamente com os nervos alvo próximos. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Medgadget.

Mas confesso que não entendi direito como é o método de colocação do gerador de pulsos (seria tipo uma fisga de arpão de caça submarina?), mas se facilitar a colocação, dispensando de certa forma a cirurgia, trataria-se de um grande avanço. Com isso, quando e se aplicável ao parkinson, a cirurgia dbs resumiria-se à colocação dos eletrodos no núcleo subtalâmico, se for o caso. A alimentação elétrica do gerador de pulsos se daria remotamente, provavelmente ondas de rádio ou microondas. Não teríamos os fios passando pelo lado interno do pescoço e por trás da orelha. Facilitaria em muito a vida de quem tem que substituir o gerador por esgotamento da bateria, o que dispensaria a cirurgia a cada troca de gerador de pulsos.

Um comentário:

Carlos Jordão disse...

Não entendeu como se processa o , porque ! É um problema na tradução do texto do inglês para português.

Do inglês pulse, não é pulso mas sim impulso!