terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Tratamento experimental para Parkinson no Reino Unido mostrando promessa inicial (dbs plus)

Jan 30, 2017 | A doença de Parkinson teve um rosto muito público quando o ator Michael J. Fox foi diagnosticado há quase 30 anos. É uma doença debilitante que afeta cerca de um milhão de pessoas neste país. Não há cura, mas há trabalho acontecendo em Kentucky onde um médico espera pode eventualmente reverter os efeitos que a doença tem sobre o corpo.

Na música, o timing é tudo. Bill Crawford, poderia dizer, é a batida que mantém sua congregação tocando seus dedos nos domingos de manhã.

"Provavelmente, eu acho que o melhor trabalho do mundo, porque você gasta tempo ajudando os outros a fazer algo que eles realmente amam", disse Crawford.

Como pastor de música de longa data na Igreja Batista Memorial Porter em Lexington, Crawford manteve a batida, até que um dia não estava lá.

"Eu não podia igualar a batida, eu não conseguia encontrar a batida e eu não conseguia sentir", disse ele.

Em 2004, com a idade de 44 anos, ele foi diagnosticado com Parkinson, uma doença progressiva que afeta parte do movimento regulador do cérebro.

"Começou há muito tempo com o dedo na minha mão direita, começou a se contrair e eu não pude parar com isso".

Sem cura, a doença começou a dominar seu corpo. Durante anos ele conseguiu segurar a doença com medicação, mas não foi suficiente.

"Meu corpo inteiro poderia ficar trancado e torcido como um parafuso, como a minha cabeça iria dar a volta desta forma e meus pés se torceriam ao redor", explicou Crawford.

Muitos pacientes de Parkinson vêem alguma melhora com um procedimento cirúrgico chamado Deep Brain Stimulation. É essencialmente um pacemaker para o cérebro implantado sob a pele.

"Esse dispositivo, em seguida, pulsa sinais elétricos para o cérebro e é executado constantemente e ajuda a reorganizar a atividade elétrica para pacientes com Parkinson", disse o Dr. Craig van Horne, da UK HealthCare, neurocirurgião.

Dr. Craig van Horne está se expandindo nesse procedimento padrão e encabeçando um novo primeiro de seu tipo ensaio clínico exclusivo para a Universidade de Kentucky. É chamado DBS Plus e se bem sucedido, poderia mudar a forma como os pacientes de Parkinson são tratados.

"Onde, como o DBS e medicamentos apenas tratam os sintomas, o que estamos realmente a tentar fazer é mudar o curso da progressão da doença", disse o Dr. van Horne.

Crawford se qualificou para DBS Plus em 2015. Os médicos tomaram tecido nervoso perto de seu tornozelo e implantaram no cérebro para ajudar a cicatrização imediata no sistema nervoso central danificado pelo Parkinson. Crawford viu aperfeiçoamentos notáveis ​​imediatamente - ele não estava mais inclinado a caminhar e seus movimentos não eram tão bruscos.

"Estamos muito encorajados com os resultados que vimos até este ponto. Considerando que temos algo que pode interromper a progressão ou reverter algumas dessas mudanças em uma base de longo prazo, estamos realmente entusiasmados com isso", disse o Dr. van Horne

Para Crawford, algo que ele pensou que ele perdeu para sempre voltou imediatamente.

"Eu podia sentir a batida", disse ele.

Mais de um ano depois, Crawford ainda está sentindo a batida e elevando sua congregação em música.

"Penso que, além de uma sombra de dúvida, Deus nos colocou em Lexington onde este tratamento era possível e eu era capaz de ver sua mão trabalhando mesmo nisso", disse Crawford.

Como mencionado anteriormente, não há cura para o Parkinson - este ensaio clínico não procura encontrar um. Até o momento, 34 pacientes participaram do estudo com resultados encorajadores. Dr. van Horne não chamaria o trabalho inovador, mas bastante promissor. Ele diz que mais estudos de longo prazo e um maior tamanho da amostra são necessários.

Para obter mais informações sobre como se envolver, incluindo uma lista de estudos atuais no Reino Unido e acesso a estudos em todo o país, você pode visitar Reino Unido Clinical Research website, ligue para (859) 257-7856, ou junte-se clique aqui. Para saber mais sobre a elegibilidade para o estudo DBS +, entre em contato com Marlene McClure em jmarlenem@uky.edu. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: WKYT.

domingo, 29 de janeiro de 2017

doença de Parkinson: Jovem portador de Parkinson terá acompanhamento mé...

doença de Parkinson: Jovem portador de Parkinson terá acompanhamento mé...: Assista vídeo AQUI (5:41), referente ao insucesso, até o presente, da cirurgia. Talvez o problema seja apenas de necessidade de encontra...

sábado, 28 de janeiro de 2017

DBS Para Doença De Parkinson Cirurgia Marca Passo Cerebral

28/01/2017 - Acesse esta página e tenha acesso a áudios que tratam do tema dbs. Escolha o áudio e clique em play para ouvir. Fonte: Palco do mp3. Obs.: Não ouvi todos, o seja, ouvir com senso crítico, com parcimônia.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

ESTUDO: IMPORTANTE DESCOBERTA NO PARKINSON

17 FEBRUARY 2013 - Neurologistas mostram que a estimulação cerebral profunda no estágio inicial da doença parece ser melhor para o resultado motor e qualidade de vida.
     
A implantação de dispositivos de estimulação cerebral profunda (DBS) em um estágio inicial da doença de Parkinson - em vez de um avançado - foi demonstrado, em um estudo publicado quinta-feira, por reduzir significativamente os tremores e outros sintomas da doença neurodegenerativa generalizada que o estudo, que aparece no prestigiado New England Journal of Medicine, provavelmente acabará com a prática global até agora de implantar um dispositivo elétrico estimulante apenas como último recurso, quando os medicamentos já não são eficazes.

O uso de dispositivos DBS, implantados sob o tálamo no cérebro, para o Parkinson começou em 1993 e foi aprovado pela Food and Drug Administration dos EUA em 2001.

Em 2005, o procedimento foi incluído na cesta de Israel de serviços de saúde abrangidos pelos fundos de saúde, de acordo com o Dr. Zvi Israel, professor de neurocirurgia do Centro Médico da Universidade Hadassah, em Jerusalém Ein Kerem.

Israel, que é diretor do centro de neurocirurgia funcional e restauradora, é um importante médico israelense que implanta dispositivos DBS em pacientes com Parkinson.

"DBS foi reservado até agora para aqueles pacientes com doença bastante avançada, que já desenvolveram complicações da terapia médica. DBS gira o relógio para trás sobre a doença para estes pacientes por muitos anos.

Às vezes, os efeitos são muito dramáticos. A maioria dos pacientes goza de uma qualidade de vida muito melhor, muitas vezes recuperando a independência e reduzindo sua medicação em uma média de 50 por cento ", disse ele ao Jerusalem Post, ao comentar sobre o novo estudo.

"Apesar da demonstração de que DBS é uma opção melhor do que a melhor terapia médica para estes pacientes, tem havido uma certa relutância em enviá-los para a terapia invasiva por muitas razões, nem todas as quais estavam no melhor interesse dos pacientes. Entre outras, as potenciais complicações da cirurgia seriam enfatizadas ", continuou Israel.

O neurocirurgião Hadassah disse que "ocasionalmente, veríamos um paciente mais jovem encaminhado para cirurgia que não podia tolerar medicação, e esses pacientes fariam muito bem.

Tem havido uma tendência, certamente nos centros experientes, para oferecer cirurgia em um estágio mais precoce da doença. Isso é baseado na premissa de que os riscos da cirurgia são baixos e que temos a responsabilidade de proporcionar uma melhor qualidade de vida para nossos pacientes o mais rapidamente possível. Isso não tem sido uma venda fácil, porque envolve algo de uma mudança de paradigma na forma como o Parkinson foi gerenciado por tantos anos ".

Assim, a publicação do artigo da revista é muito importante, uma vez que "neurologistas de renome [na Christian-Albrechts University em Kiel, Alemanha] compararam o DBS precoce com a melhor terapia médica e demonstraram ser significativamente melhores para o resultado motor e para múltiplas medidas de qualidade de vida ", disse Israel.

Não há cura para o Parkinson, que é uma doença progressiva e fatal que afeta a respiração, o equilíbrio, o movimento e a função cardíaca e é uma das doenças mais comuns do sistema nervoso dos idosos. As estimativas nos EUA sozinhas são de 500.000 a 1 milhão de casos, enquanto existem dezenas de milhares em Israel. Alguns casos, no entanto, começam tão cedo quanto 40 anos.

A doença é causada pela lenta deterioração das células nervosas no cérebro que criam o neurotransmissor dopamina, que ajuda a controlar o movimento muscular em todo o corpo. Quando os suprimentos de dopamina diminuem, os tremores e outros sintomas começam, mas após alguns anos de terapia de reposição de dopamina, ela perde seu efeito. Azilect (rasagilina), uma droga desenvolvida no Technion-Israel Institute of Technology e produzido pela empresa israelense Teva Neuroscience, foi encontrado para aliviar os sintomas, mas apenas no curto prazo.

Os pesquisadores alemães, em um estudo de dois anos, atribuíram aleatoriamente 251 pacientes com uma média de idade de 52 que tiveram a doença durante uma média de sete anos e meio para se submeter à implantação de um DBS mais terapia médica ou terapia médica sozinho. Eles concluíram que a neuroestimulação foi superior à terapia médica sozinha em um estágio relativamente precoce de Parkinson, antes do aparecimento de complicações motoras incapacitantes graves.

O principal produtor de equipamentos DBS para Parkinson é a Medtronic, com sede em Minnesota e a maior empresa de tecnologia médica do mundo, com filiais em 120 países, incluindo Israel. É certo, com base no novo estudo, solicitar a adição à cesta de saúde de Israel. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: JPost.

A notícia é antiga, de 2013, mas vem provar que desde lá os conceitos de eletividade para o dbs não mudaram muito, apesar deste estudo levar a um "repensar" de conceitos. Eu fiz aos 50 e faria de novo. Entendo haver um preconceito ao dbs, quando não um temor, que se justifica em parte pelo despreparo das equipes médicas e atualização tecnológica dos hospitais para acertar os alvos neurológicos, a alma do dbs.

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Neuromodulação – Novos horizontes para Doença de Parkinson

23 janeiro 2017 · Quem já não se deparou na sua família, ou na vizinhança ou ainda no trabalho, ou em reportagens sobre pessoas que começam a apresentar sintomas da Doença de Parkinson? Doença degenerativa do Sistema Nervoso Central que atinge a população da terceira idade e que traz sérias limitações em termos de qualidade de vida a quem a apresenta. De início costumam aparecer sintomas como lentificação das atividades motoras automáticas mas principalmente um tremor de repouso. Sintomas que se manifestam normalmente de um só lado do corpo mas que com passar dos anos se torna inevitavelmente bilateral. Ser visto por um neurologista especializado em movimentos involuntários é essencial.

Em todos os grandes centros existem Neurologistas atualizados e dedicados aos movimentos involuntários. Mas há ainda mais do que isso. Um time capaz de atender, esclarecer, amadurecer bem com quem porta estes sintomas as novas possibilidades de melhorar a qualidade de vida do paciente com a doença de Parkinson. Para isto buscar não somente um neurologista, mas um neurocirurgião funcional, um fisiatra, um psicólogo (doença de Parkinson traz muitas dificuldades cognitivas), um fisioterapeuta, uma fonoaudióloga. Então um time capaz de cuidar e zelar pelos anos que o paciente tem pela frente com qualidade de vida é fundamental. Hoje se discute inclusive qual a melhor estratégia de medicamentos para combater a progressão da doença, e também qual o melhor momento para indicar a colocação do famoso DBS, ou Neuroestimulador e Neuromodulador.

Hoje em dia novas tecnologias tem proporcionado ao neurocirurgião funcional e ao paciente fazer inúmeras combinações que ao longo do dia podem ir se alternando, fazendo com o paciente, o medicamento tomado, e o programa desenhado especificamente para o mesmo possa ser aplicado, mudando como um controle remoto de um sistema eletrônico comum, e o resultado é a mais perfeita noção de controle motor que já se tenha pensado. A esta inovação chamamos de neuromodulação no sentido exato da palavra. Então hoje temos um time que cuida do paciente, um esquema de Drogas antiParkinsonianas adequadas e apropriadas para cada tempo e finalmente um Neuroestimulador que permite possibilidades impensadas anos atrás, mas hoje realidade. Quem se beneficia de tudo isto? O paciente, aquele pelo qual todo o nosso esforço deve ter como objetivo maior… Isto é fazer diferença em uma doença degenerativa, é trazer qualidade de vida a quem sem nenhuma destas ferramentas aplicadas em conjunto perde o gosto pela vida. Não permita que isso aconteça a nenhum dos citados acima, leve esta informação aos confins do país. Fonte: Blog Canção Nova.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Estimulação profunda do cérebro. A melhoria do processo ou é um dois em um?

9 enero, 2017 - Cientistas da Universidade de Kentucky criaram o que chamaram DBS Plus para tratar a doença de Parkinson, uma combinação de estimulação cerebral profunda e implantação de tecido nervoso.

Da estimulação cerebral profunda (DBS por sua sigla em Inglês) que você já ouviu? Se não, rapidamente explicamos (e se você sabe exatamente vamos refrescar o conhecimento). O DBS é usado na Parkinson para aliviar os sintomas motores de pacientes que estão em um estágio avançado da doença e para a qual, as drogas não funcionam como elas originalmente faziam.

A estimulação cerebral profunda envolve a implantação de eletrodos no cérebro através de uma cirurgia no cérebro. Os elétrodos estão ligados a uma bateria, que é implantado no peito de energia e material do paciente aos eletrodos. A estimulação elétrica fornecida por este sistema ajuda a modular a atividade cerebral em áreas danificadas pela doença de Parkinson.

O processo não é adequado para todos e não representa uma cura para a doença, mas uma ajuda por um determinado período de tempo. Só que a ajuda é significativa. O antes e o depois de passar por uma cirurgia do paciente é incrível.

Há pouco mais de três anos atrás, um grupo de pesquisadores da Universidade de Kentucky está tentando melhorar este procedimento. Como? Para tecido nervoso periférico implantado enquanto o neuroestimulador, um processo a que tenham apelidado, a melhor estilo americano, DBS PLUS.

Por sua descrição parece um procedimento paralelo, ao invés de uma melhoria da estimulação cerebral profunda. Os resultados iniciais são anunciados encorajadores, mas até agora temos de nos contentar com comunicados de imprensa da Universidade de Kentucky, porque eles não emitiram qualquer publicação científica descrevendo em detalhe o ensaio clínico e resultados.

O QUE É O DBS PLUS?

Com DBS e além disso, o paciente recebe não só o implante do sistema de neuroestimulação, mas durante o procedimento também é implantado tecido nervoso periférico que os médicos tomam sobre seus tornozelos.

De acordo com a explicação dos cientistas, este tecido pode estimular a regeneração do tecido cerebral danificado de pessoas com Parkinson. Acontece que, quando uma doença afeta o sistema nervoso central (cérebro e medula espinhal), como no caso da doença de Parkinson, a regeneração dos tecidos danificados é tão lenta que é quase zero. Pense em quando você tem uma ferida, em um curto período de tempo e o corpo é responsável por criar o tecido saudável. O tecido do sistema nervoso central não é gerado e o dano é muito difícil de inverter.

No sistema nervoso periférico, os investigadores continuam a explicar, a regeneração é mais rápida, por conseguinte, a esperança de que um implante deste tipo contribua para que o dano causado reduza o Parkinson nos cérebros de pessoas afetadas.

Neste caso, nós não estamos falando de uma cura, mas um tratamento sintomático Você quer saber o que foi alcançado até agora? Mantenha a leitura.

Os resultados iniciais do DBS PLUS.

Até à data no ensaio clínico participaram 34 pessoas. 17 deles passaram mais de 12 meses DBS Plus e 65% destes últimos apresentaram melhorias clínicas muito significativas, de acordo com a Universidade de Kentucky.

Eles continuam a serem vistos se as melhorias obtidas são realmente superiores aos que já gera estimulação cerebral profunda convencional. E, claro, analisar a segurança a longo prazo de um procedimento desta natureza. Finalmente vamos deixar você com um vídeo transmitido pela escola que mostra o antes e depois de uma pessoa que recebeu DBS Plus.
  Original em espanhol, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: 2Ti.

O tratamento experimental para os sintomas da doença de Parkinson mostra uma promessa

Jan 9th, 2017 · Cerca de 14 anos atrás, Bill Crawford notou uma persistente contração em um de seus dedos que estava interferindo com seu tempo de ensaio como o pastor de música na Igreja Memorial Porter.

"Estava me deixando louco", disse o Lexingtoniano, de 57 anos.

Também notara algumas outras coisas, como a fraqueza. Ele havia mencionado isso ao seu médico de cuidados primários, que ordenou testes de função cardíaca e pulmonar, mas ambos foram negativos.

Finalmente, no entanto, ele estava tão fraco que não podia mais andar de bicicleta.

"Eu simplesmente não conseguia ir", disse ele.

Então ele fez uma consulta com um neurologista. Depois de alguns minutos com Crawford, o neurologista pediu-lhe para voltar na segunda-feira - e trazer sua esposa Lisa com ele.

Naquele dia terrível, o neurologista disse a Bill que ele tinha a doença de Parkinson. Na época, Bill tinha apenas 44 anos.

"Obviamente não o que você quer ouvir", disse Crawford. "Mas então eu comecei a pensar em Michael J. Fox e tudo o que ele tinha realizado, e eu pensei que eu poderia fazer isso também."

Eventualmente, entretanto, os remédios que ajudaram Bill a controlar seus sintomas de Parkinson começaram a perder sua eficácia.

"Não há cura para o Parkinson, e os tratamentos que atualmente temos à nossa disposição só podem reduzir os sintomas", explicou o Dr. John T. Slevin, especialista na UK HealthCare Kentucky Neuroscience Institute, que começou a tratar Crawford em 2006. "A progressão da doença inevitavelmente supera a capacidade das drogas para aliviar a rigidez e o tremor que são marcas do Parkinson ".

Isso significava que Crawford iria para o que ele chamou de "cavalos pelo corpo inteiro" - espasmos involuntários repentinos e dolorosos que o deixaram paralisado e deitado no chão por tanto como 45 minutos.

"Foram os buracos", disse Crawford. Às vezes, no último minuto, ele era incapaz de realizar apresentações musicais nos cultos, o que era particularmente desalentador. "Eu não queria ser um espetáculo."

Foi então que Slevin sugeriu um tratamento chamado Deep Brain Stimulation e conectou Crawford com o neurocirurgião da UK HealthCare, Dr. Craig van Horne.

Estimulação Cerebral Profunda (DBS) é um procedimento cirúrgico usado para tratar os problemas associados à doença de Parkinson. O procedimento envolve a implantação de eletrodos no cérebro que estão conectados a um pequeno dispositivo tipo pacemaker implantado no tórax. Estes eletrodos produzem sinais elétricos que substituem os impulsos elétricos anormais causados ​​pela doença, que ataca e quebra as células nervosas no cérebro.

O procedimento não é adequado para todos e requer testes psicológicos completos e estudos de movimento para garantir que um paciente está pronto para DBS. - Eu não tinha certeza de qualificar-me - disse Crawford. "Mas eu sabia que essa era minha última chance."

Crawford considera uma bênção que ele estava, de fato, qualificado para receber DBS. Mas depois veio uma surpresa adicional: depois de mais testes, van Horne disse Crawford que ele estava qualificado para participar de um estudo para uma nova versão do DBS chamado "DBS Plus".

Van Horne explica que o sistema nervoso central - que é composto do cérebro e medula espinhal - é incapaz de se curar após lesão ou doença. No entanto, os nervos periféricos do resto do corpo são capazes de se regenerar.

"Nosso estudo é projetado para testar se tomar uma pequena parte do tecido nervoso periférico e colocá-lo no cérebro seria prompt para cura nas áreas do sistema nervoso central danificado pelo Parkinson", disse ele.

Com DBS Plus, van Horne e sua equipe (Greg Gerhard, PhD, e George Quintero, PhD), pegaram um pequeno pedaço de tecido nervoso do tornozelo do paciente e o implantaram em seu cérebro. Como o tecido é do próprio corpo do paciente, não há preocupações com a rejeição e porque o tratamento experimental é aplicado durante um procedimento que foi declarado seguro e eficaz pela Food and Drug Administration (FDA) há quase duas décadas, o DBS Plus é considerado relativamente seguro, com apenas um mínimo de risco adicional.

No entanto, van Horne é cauteloso sobre o processo de inscrição pacientes no estudo.

"É mais ético, na minha opinião, esperar até que um paciente se qualifique para o DBS básico antes de lhes contar sobre o meu estudo", disse ele. "Eu não quero que os pacientes optem por fazer o DBS só porque querem o DBS Plus".

E van Horne diz que estava emocionado que Crawford o qualificou para o estudo.

"Quando eu conheci Bill pela primeira vez, ele estava deitado paralisado no chão na sala de tratamento", lembrou van Horne. "Foi uma visão surpreendente e quebra o coração."

Crawford recebeu DBS Plus em agosto de 2015. Sua família não pode superar as mudanças dramáticas em sua mobilidade.

"Estou escalando escadas agora, posso planejar o tempo de adoração de nossa igreja, posso liderar os serviços, eu ainda posso levar outros na adoração", disse ele.

Os cavalos charley foram embora, e agora Crawford toma apenas uma ou duas pílulas por dia, para baixo de 12 antes da cirurgia. Um antes e depois de um vídeo de Crawford andando pelas salas fora do escritório de van Horne é surpreendente.

Até o momento, 34 pacientes participaram do estudo DBS Plus com resultados encorajadores. Dos 17 pacientes que estão 12 meses fora de seu procedimento, 65 por cento deles mostraram uma melhoria clinicamente importante no desempenho motor como resultado do enxerto.

Van Horne é rápido para apontar que o estudo precisa ser testado em um tamanho de amostra maior em muitos outros centros médicos em todo o país antes que possa ser considerado um tratamento viável. Além disso, ele adverte, enquanto os resultados de 12 meses são promissores, é importante avaliar a eficácia em um prazo mais longo. Mas assumindo que tudo vai tão bem como tem até agora, DBS Plus mostra a promessa como um meio de retardar o processo da doença.

Van Horne e sua equipe não ganham nenhum benefício financeiro de DBS Plus, que adiciona apenas uma fração do custo para a cirurgia DBS que já está coberto pela maioria dos planos de seguro. "Nosso retorno é a gratificação que recebemos em ver nossos pacientes ficarem bem", disse van Horne.

Crawford entende que DBS Plus não é uma cura para seu Parkinson, mas está encantado por ter um pouco mais de tempo para aproveitar a vida.

"'Sentindo a batida' é fundamental para o meu trabalho como músico, e meu Parkinson tinha começado a tirar isso de mim", disse ele. "Eu não poderia nem mesmo estalar meus dedos com a música mais."

Mas, disse Crawford, quando acordou da cirurgia, instintivamente começou a tocar os dedos como um metrônomo. Dois membros da equipe, Julie Gurwell, a PA responsável pela programação do equipamento DBS, e Ann Hanley, paciente de Parkinson que acompanha pessoalmente os pacientes por meio de suas cirurgias, estavam sentados com ele e perguntaram-lhe o que estava fazendo.

"Eu estava muito emocionada para explicar, mas consegui dizer 'eu posso sentir a batida.' E eles se superaram."

"Eu só sabia que Deus tinha respondido minhas orações." Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Kyforward.

domingo, 8 de janeiro de 2017

Padrão concebido para melhorar a estimulação do cérebro em doentes de Parkinson

Sábado 7 de janeiro, 2017 - A estimulação elétrica do cérebro, o tratamento utilizado para tratar distúrbios neurológicos como a doença de Parkinson, pode ser mais eficiente se o padrão de pulso temporal for definido, como sugerido por um estudo publicado esta semana.

Na pesquisa, um grupo de cientistas da Universidade de Duke, na Carolina do Norte, poderiam não só controlar os sintomas em pacientes de Parkinson, mas fazê-lo com menos energia do que normalmente é utilizada pela técnica de estimulação cerebral profunda. Especialistas estavam procurando uma maneira de tornar mais eficiente, implementada esta terapia no tratamento de vários sintomas neurológicos, especialmente a doença de Parkinson.

Na estimulação cerebral profunda, um pequeno dispositivo chamado de neuroestimulador envia impulsos elétricos e regularmente bloqueia anormalidades que causam sintomas de Parkinson, como tremores, rigidez e instabilidade. O dispositivo usado é aplicado com um procedimento cirúrgico e é muito semelhante a um pacemaker cardíaco, mas os seus sinais são dirigidos para as áreas do cérebro que controlam o movimento.

O problema, de acordo com o estudo publicado na revista Science Translational Medicine, é que a eficácia desta técnica depende da frequência de estimulação. "Infelizmente, as altas frequências de estimulação também causam efeitos colaterais fortes e consomem mais energia, levando a substituição cirúrgica frequente das baterias", lembra o artigo de investigação. Exauridas as baterias do neuroestimulador, é necessário submeter o paciente à cirurgia, com os riscos que isso implica. O novo processo "reduz a exigência de energia para a estimulação e os riscos resultantes associados com substituições frequentes." Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Formato 7.

Daí a sugestão de quando puderem optar, adotar bateria recarregável, que permite parâmetros mais radicais de estimulação e, se esgotar bateria, basta fazer recarga em períodos mais curtos. Hoje faço a recarga a cada 2 semanas.