sexta-feira, 30 de junho de 2017

Medtronic SureTune3 ganha marca CE para terapia de estimulação cerebral profunda

June 30, 2017 - DUBLIN e BERLIM, 28 de junho de 2017 - A Medtronic plc (NYSE: MDT) anunciou hoje que o software SureTune (TM) 3 recebeu o CE (Conformité Européenne) Mark para estimulação cerebral profunda (DBS). O SureTune3 fornece uma visualização específica do paciente da localização do eletrodo e do volume simulado de ativação neural para ajudar os médicos a tomar decisões sobre como programar ou ajustar a terapia DBS do paciente.

A terapia Medtronic DBS possui aprovação CE Mark para doenças como a doença de Parkinson e trata sintomas como o tremor através de um dispositivo médico implantado cirurgicamente, semelhante a um pacemaker cardíaco, que entrega pulsos elétricos suaves para áreas específicas do cérebro. A estimulação elétrica dessas áreas normaliza os circuitos cerebrais que controlam os sintomas. Mais de 10 milhões de pessoas em todo o mundo vivem com doença de Parkinson.

Os avanços do SureTune3 simplificam o fluxo de trabalho do médico e permitem que as informações de planejamento cirúrgico da StealthStation (TM) sejam importadas. SureTune3 também contém um atlas 3D deformável para permitir que os médicos definam com mais precisão as estruturas anatômicas ou a região exata do cérebro que deve ser estimulada para aliviar os sintomas. O sistema SureTune3 é totalmente descarregável com a opção de trabalhar no servidor de um hospital para que as equipes clínicas multidisciplinares possam trabalhar de forma flexível. O SureTune3 atualmente não está aprovado nos Estados Unidos.

Os dados sobre SureTune3 foram apresentados hoje pelo professor Jens Volkmann, MD, PhD, FEAN, presidente e professor de neurologia na Clínica Universitária de Würzburg na reunião da World Society for Stereotactic and Functional Neurosurgery, atualmente em curso em Berlim, na Alemanha. No congresso, ele explicou como o SureTune3 está ajudando seu time com gerenciamento de pacientes. "Com SureTune3, posso integrar todos os dados do paciente - planejamento e procedimento - o que permite um gerenciamento mais personalizado de cada caso", disse o Prof. Volkmann. "O software aprimorado me permite visualizar com precisão as configurações de estimulação de cada DBS". Ao usar essa abordagem, a experiência de programação clínica, a visualização específica do paciente do volume simulado de ativação neural e planejamento estereotáxico formará um fluxo de trabalho integrado. O Prof. Volkmann também apresentou pesquisa usando o SureTune3, que pode fornecer uma visão mais aprofundada sobre a forma como os mapas de ativação neural individuais podem ser usados.

A terapia com Medtronic DBS possui aprovação de marca CE para doença de Parkinson, Distonia, Tremor Essencial, TOC e Epilepsia e é o único portfólio completo da DBS que, em condições específicas, é condicional de corpo inteiro condicional e pode ser deixado durante uma varredura de MRI.

"As últimas inovações para o nosso software SureTune levam a solução Medtronic DBS para o próximo nível: para além das nossas inovações anteriores de dispositivos condicionais de MR e além da visualização padrão do campo de estimulação", disse Brett Wall, vice-presidente sênior e presidente das Terapias do cérebro Divisão, que faz parte do Grupo de Terapia Restauradora da Medtronic. "A Medtronic tem liderado o caminho da terapia DBS há mais de 30 anos e continuaremos a explorar e desenvolver novas inovações tanto para os pacientes como para os médicos que dependem delas".

Sobre Medtronic DBS Therapy
A terapia com DBS usa um dispositivo médico implantado cirurgicamente, semelhante a um pacemaker cardíaco, para fornecer estimulação elétrica a áreas específicas do cérebro para reduzir alguns dos sintomas motores mais incapacitantes associados à doença de Parkinson, incluindo agitação, rigidez e dificuldades de movimento. O portfólio completo da Medtronic DBS é o primeiro aprovado para exames de MRI de corpo inteiro em condições específicas. Desde 1997, mais de 150.000 dispositivos Medtronic DBS foram implantados em todo o mundo.

A terapia com DBS está atualmente aprovada em vários locais do mundo, incluindo os Estados Unidos e a Europa, para o tratamento dos sintomas incapacitantes do tremor essencial e da doença de Parkinson recente e prolongada. Sob uma isenção de dispositivo humanitário (HDE) nos Estados Unidos, a terapia também pode ser usada para tratar a distonia primária intratável crônica. Na Europa, Canadá e Austrália, a terapia DBS é licenciada para o tratamento da epilepsia refratária. A terapia com DBS também é aprovada para o tratamento de transtorno obsessivo-compulsivo severo e resistente ao tratamento na União Européia e na Austrália, e nos Estados Unidos sob um HDE.

Sobre a Medtronic
A Medtronic plc (www.medtronic.com), com sede em Dublin, Irlanda, está entre as maiores empresas de tecnologia, serviços e soluções médicas do mundo - aliviando a dor, restaurando a saúde e ampliando a vida para milhões de pessoas em todo o mundo. A Medtronic emprega mais de 88.000 pessoas em todo o mundo, atendendo médicos, hospitais e pacientes em aproximadamente 160 países. A empresa está focada em colaborar com as partes interessadas em todo o mundo para receber cuidados de saúde, Juntos. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: DOT Med.

quinta-feira, 29 de junho de 2017

O calcanhar de Aquiles do dbs

Vou tomar a liberdade de me manifestar sobre o dbs, após experienciar quatro trocas de marcapasso (3 descartáveis e 1 recarregável) e uma relocação de eletrodo.

Entendo que o fato crucial para o marcapasso cerebral funcionar bem é o acerto dos eletrodos no alvo. Os alvos com mais "popularidade" podem ser o núcleo subtalâmico, conhecido com STN (abaixo) ou o Globo Pálido interno, o Gpi. Os alvos são núcleos responsáveis pelo nosso movimento e tem o tamanho de uma ervilha, que tem que ser atravessada longitudinalmente, de pólo à pólo, pelo eletrodo. Eles estão imersos em meio à massa cinzenta cerebral.


Para bem localizá-los, são precedidos exames de imagem (ressonância magnética, raios-x e tomografia) que são fundidos computadorizadamente numa imagem tridimensional do cérebro, sempre tendo uma referência estática, fixa, para o mapeamento, o chamado “halo”, semelhante a uma auréola de material especial que é atarraxada ao crânio do paciente.

De posse desta imagem tridimensional são traçadoos os eixos coordenados x,y,z de onde se localizam os núcleos que se pretende atingir. Navegando por essas coordenadas e localizado o alvo são introduzidos os eletrodos.

No meu entender este é o calcanhar de Aquiles do dbs. Se o alvo não é acertado, não há cristão que faça o dbs funcionar direito, em toda sua potencialidade. E acertar o alvo também apresenta suas relatividades. O ideal é acertar na mosca, mas se não acertar na mosca, pode acertar na borda. Aí terá que haver um extenuante trabalho de programação dos parâmetros do dbs, acionando os “bornes” de cada um dos dois eletrodos (se for implante bi-lateral), que são quatro (equipamentos Medtronic).

Os problemas no acerto do alvo atribuiria a deficiência de pessoal habilitado e proficiente na tarefa, afora obsoleteísmos dos equipamentos hospitalares em geral.

Não é necessário dizer da dependência para o sucesso no implante, de uma experiente equipe cirúrgica. Muito diálogo com o neurocirurgião, p´ra sentir firmeza ou não, é o conselho que posso dar. No mais é rezar...

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Critérios de elegibilidade para a estimulação profunda do cérebro na doença de Parkinson

July 2016 - RESUMO: Nesta revisão, as evidências disponíveis para orientar os clínicos quanto à elegibilidade para estimulação cerebral profunda (DBS) nas principais condições em que essas formas de terapia são geralmente indicadas - doença de Parkinson (DP), tremor e distonia - são apresentadas.

Em geral, a literatura mostra que DBS é eficaz para DP, tremor essencial e distonia idiopática. Nesses casos, pontos-chave na seleção do paciente, devem incluir o nível de incapacidade e inabilidade de administrar os sintomas usando a melhor terapia médica disponível. Os resultados no entanto, ainda não são ótimos ao lidar com outras etiologias, como tremores secundários e distonia sintomática.

Além disso, na DP, questões tais como idade e perfil neuropsiquiátrico ainda são parâmetros discutíveis. Em geral, a literatura disponível atualmente é capaz de orientar os médicos em aspectos básicos da seleção do paciente e indicações para DBS. No entanto, alguns pontos ainda são discutíveis e controversos. Essas questões devem ser refinadas e esclarecidas em estudos futuros.

INTRODUÇÃO
Durante o simpósio DBS Canada Day realizado em Toronto em 4-5 de julho de 2014, o comitê científico convidou especialistas a compartilharem seus conhecimento dos critérios de elegibilidade para estimulação cerebral profunda (DBS) para pacientes com as três indicações atuais mais comuns para estes procedimentos: doença de Parkinson (DP), tremor e distonia.

Especialistas receberam tópicos selecionados dentre os quais foram pedidos para resumir a literatura atual e destacar o que era conhecido e o que ainda era controverso no campo. Devido a dificuldades em extrair resultados objetivos e precisos baseados em evidências, conclusões em tópicos com volume uniforme relativamente limitado resultados de dados, incluindo distúrbios que às vezes são raros, as informações fornecidas derivam de estudos históricos, mas também da interpretação dos autores dos melhores dados publicados. Cada seção contém informações e conclusões que podem ser consideradas discutíveis e controversas em alguns círculos; no entanto, na perspectiva dos autores, este é o status da ciência atualmente.

Eventualmente, esta revisão particular pretende estimular a leitura adicional e pensamento crítico, sem ambição de fornecer irrefutáveis soluções para os tópicos propostos. Cada um desses tópicos será discutido nas seguintes seções:

CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE PARA DBS EM DP
Background
A DBS representa um procedimento cirúrgico padrão para pacientes com DP sofrendo flutuações motoras refratárias a medicamentos e tratamentos otimizados. A cirurgia é dirigida ao tratamento de complicações motoras que são suficientemente graves para justificar o risco cirúrgico. A deficiência
derivada dessas complicações podem estar relacionadas à duração e severidade das flutuações motoras relacionadas com períodos “off” da levodopa ou discinesias. A Rating Scale unificada para a doença de Parkinson é uma medida validada e amplamente utilizada da gravidade dos sintomas motores (parte III) e flutuações motoras (Parte IV), usada para comparar resultados pré e pós-cirúrgicos.

Três alvos cirúrgicos são atualmente usados ​​na DP, selecionados dependendo da adequação ao perfil do paciente de acordo com o perfil demográfico e características clínicas e impacto causado pelas diferentes complicações motoras: núcleo subtalâmico (STN), globus pallidus internus
(GPi) e núcleo intermediário ventral do tálamo (VIM).

Seleção de pacientes, avaliação pré-cirúrgica e segurança
A seleção do paciente deve ser realizada em centros designados por uma equipe multidisciplinar incluindo especialista em distúrbios do movimento, neurocirurgião, neuropsicólogo, psiquiatra, neuroradiologista, e enfermeiras, todos experientes no DBS. A candidatura da DBS é geralmente estabelecida de acordo com critérios de inclusão e exclusão proposto pelo programa de avaliação central para intervenções cirúrgicas e terapias em DP (CAPSIT-PD). Os seguintes fatores devem ser cuidadosamente avaliados antes de advogar a cirurgia para um determinado paciente: Duração da doença, idade, capacidade de resposta da levodopa, tipo e gravidade de sintomas refratários à levodopa, problemas cognitivos e psiquiátricos.

Distúrbios comórbidos e resultados de ressonância magnética cerebral (MRI). No presente artigo, analisamos e resumimos a atual recomendação para cada aspecto dado. Conforme recomendado pelo protocolo CAPSIT-PD, um paciente deve ter uma duração da doença de pelo menos 5 anos antes de ser considerado para cirurgia, permitindo que formas atípicas de Parkinsonismo sejam excluídas de acordo com o consenso publicado em Orientações.

Tradicionalmente, os pacientes submetidos a esses procedimentos estão em estádios relativamente avançados da doença, com complicações motoras severas e uma duração média da doença de 12 a 15 anos. Por outro lado, considerando a cirurgia mais cedo no decorrer da doença, preveniria ou atrasaria as conseqüências motoras, sociais, psicológicas e incapacidade.

Recente dados apoiam considerar DBS muito mais cedo do que atualmente aplicado para o tratamento precoce das complicações motoras em DP (Ensaio controlado de estimulação cerebral profunda em pacientes precoces com doença de Parkinson). No entanto, muitos fatores devem ser reconhecidos na decisão de quando considerar o DBS, e são necessários mais dados para estabelecer o benefício potencial do início do DBS na DP.

Embora nenhum limite de idade específico tenha sido definido em estudos clínicos de DBS, a maioria dos estudos usa a idade como um critério de exclusão. Na verdade, a maioria dos pacientes que apresenta o perfil ideal para cirurgia têm um início relativamente jovem de DP, e são mais jovens do que 70 anos no momento da cirurgia. Para casos mais antigos, várias considerações que influenciam a relação risco-benefício devem ser tomadas em conta: comorbidades, performances cognitivas, prevalência dos sintomas resistentes à levodopa e complicações no risco geral de cirurgia. Embora evidências recentes sugerem que o DBS seja seguro no seguimento a curto prazo de pacientes com DP com idade superior a 75 anos, não existem dados relativos a resultados a longo prazo. Finalmente, mais abordagens cirúrgicas conservadoras podem ser consideradas para idosos pacientes de DP (procedimentos unilaterais versus bilaterais e a escolha de alvo, GPi foi considerado mais seguro do que STN).

A resposta prévia da levodopa é relatada como o melhor fator preditivo para uma resposta positiva à cirurgia. Assim, é obrigatório para realizar um teste com levodopa em cada candidato à cirurgia para verificar e explicar ao paciente quais sinais e os sintomas são potencialmente responsivos à cirurgia.

Uma dose suficiente de levodopa para reproduzir o melhor do paciente em resposta, dado após um intervalo sem medicação de 12 horas, deve ser usado para determinar a capacidade de resposta.
Uma única dose supra-limiar de levodopa é frequentemente utilizada, tipicamente 1,5 vezes a dose da madrugada

De ​​acordo com o CAPSIT-PD, o teste deve induzir ao menos uma diminuição de 33% na Escala de Classificação Unificada da Doença de Parkinson, parte III, pontuação total.

Características resistentes a Levodopa, incluindo problemas de marcha e equilíbrio, disartria e disfagia, geralmente não melhoram ou podem até piorar após DBS. O tipo e a gravidade desses sintomas devem ser avaliado durante o teste com levodopa em um momento em que o paciente e o examinador concordam que o pico do benefício ótimo foi obtido. Nesses pacientes, as características resistentes à levodopa podem comprometer o resultado da DBS. No entanto, a cirurgia ainda pode ser uma opção, mas somente após uma pesada análise dos benefícios esperados,

Incapacidade residual e riscos. Tremor severo é uma isenção porque pode ser pouco receptiva à levodopa, mas melhora com ambos alvos STN e VIM na cirurgia DBS.

A disfunção cognitiva e as questões psiquiátricas afetam quase todos os pacientes DP e tendem a ser mais graves à medida que a doença progride.

É fundamental estabelecer a extensão do comprometimento cognitivo e problemas comportamentais que podem não permitir um resultado cirúrgico seguro. Assim, uma avaliação pré-operatória minuciosa é obrigatória, embora não haja provas suficientes para tirar conclusões definitivas sobre a validade preditiva de qualquer avaliação, entrevista, ou teste. Quanto à cognição, a demência é uma absoluta contra-indicação para a cirurgia. Por outro lado, não há clara recomendações sobre comprometimento cognitivo leve. Com respeito a distúrbios psiquiátricos, a cirurgia geralmente é diferida em pacientes com condições psiquiátricas instáveis ​​até os sintomas serem gerenciados adequadamente. Isto é particularmente verdadeiro para depressão e psicose. Depressão grave contínua com ideação suicida deve ser considerada uma absoluta contra-indicação à cirurgia devido ao aumento do risco de suicídio no primeiro ano após o procedimento. Evidências limitadas sugerem que GPi pode ser mais seguro do que STN para pacientes com déficit cognitivo leve ou problemas comportamentais.

Pacientes com problemas de saúde graves instáveis ​​não são comumente considerados candidatos cirúrgicos; portanto, não há dados relativos a este subconjunto de pacientes. No entanto, embora os estudos formais sejam falta de comorbidades graves, deve ser considerada como uma contra-indicação para DBS dada a influência negativa sobre a relação risco-benefício.

Em pacientes considerados para cirurgia, imagem pré-operatória, geralmente MRI, é obrigatório. Embora alguns centros escolham evitar a cirurgia em pacientes com achados pré-operatórios de atrofia e vasculopatia cerebral, faltam dados conclusivos.

De notar, a atrofia cortical grave aumenta o risco de pós-operatório de hematomas subdurais. No entanto, além de lesões estruturais óbvias, as descobertas de imagem por si só não devem ser consideradas absolutas.

Contra-indicações para DBS.
Finalmente, uma avaliação cuidadosa de pessoal, profissional e as questões sociais de cada paciente são fundamentais para alcançar um bom resultado após o DBS. Os períodos anteriores, durante e depois da cirurgia exigem uma grande quantidade de cooperação e motivação de pacientes e cuidadores. A ausência de um apoio sólido de um cuidador deve ser considerado um motivo para impedir o DBS.

Em conclusão, vários fatores devem ser tomados em conta quando se considera cirurgia em pacientes com DP e a avaliação do risco-benefício por um multidisciplinar especializado. A equipe é obrigatória em todos os casos.

CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE PARA DBS EM DYSTONIA E TREMOR (Por não referir-se ao Parkinson, não traduzido) (segue...) Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Cambridge. Leia mais sobre elegibilidade aqui: How many parkinsonian patients are suitable candidates for deep brain stimulation of subthalamic nucleus? Results of a questionnaire.

Com relação ao tema "elegibilidade", recomendo a leitura dos comentários postados AQUI, os quais considero de absoluta importância.

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Novo aplicativo permite que os pacientes de Parkinson ajustem sua estimulação cerebral profunda

por Wendy Henderson

JUNE 8, 2017 - Neste vídeo da CBS New York, o Dr. Max Gomez discute um novo aplicativo móvel que permite que as pessoas que vivem com doença de Parkinson ajustem seus estimuladores cerebrais.

Algumas pessoas com doença de Parkinson optam por ter estimuladores profundos do cérebro (DBS) inseridos em seu cérebro como forma de controlar seus tremores. Eles funcionam enviando sinais elétricos para o cérebro que acalmam os tremores, mas o sistema muitas vezes precisa de ajustes regulares para obter os melhores resultados para os pacientes, o que significou várias visitas ao consultório médico.


O novo aplicativo permite aos pacientes tirar vídeos de seus tremores para enviar diretamente ao médico, que pode ajustar as configurações. O aplicativo se conecta ao dispositivo DBS por meio de bluetooth e os pacientes podem controlar os sinais dentro dos parâmetros predefinidos para ativar ou desativar os sinais mais altos ou inferiores. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: ParkinsonNews Today.

terça-feira, 6 de junho de 2017

O pacemaker minúsculo sem fio pode residir no coração e duplo como desfibrilador (ainda não aplicável ao parkinson)


JUNE 6TH, 2017 - Embora já existam marcapassos no mercado tão pequenos que se encaixam dentro do coração, eliminando assim a necessidade de cabos de eletrodos, esses dispositivos ainda dependem de uma bateria com vida útil limitada. Esses implantes exigem ajustes e substituição eventualmente, procedimentos que podem ser difíceis para os pacientes, criar custos adicionais e colocar o desafio de escolher se os implantou em primeiro lugar.

Na semana em curso, o IEEE International Microwave Symposium (IMS) em Honolulu, no Havaí, os pesquisadores da Rice University e Texas Heart Institute estão apresentando um protótipo de marcapasso que usa um capacitor em vez de uma bateria que pode ser recarregada usando um transmissor sem fio. O transmissor de microondas pode ficar fora do corpo, contendo a bateria real que é a fonte da energia do sistema. Como o capacitor é substancialmente grande, ele também pode ser usado como um desfibrilador, fornecendo suporte adicional para pessoas em risco de arritmias perigosas.

O dispositivo, que ainda não parece um produto final, contém um chip CMOS com uma antena embutida e a eletrônica para converter os sinais elétricos e gerar sinais de estimulação. Os sinais de estimulação são controlados pelo aumento e diminuição da potência do transmissor.

Um porco serviu como o primeiro teste em que o novo marcapasso foi testado, cuja freqüência cardíaca foi controlada com sucesso entre 100 e 172 bpms.

Os pesquisadores acreditam que, por causa do tamanho pequeno do pacemaker, a ausência de fios para conexão em eletrodos e a capacidade em ser alimentado sem fio, pode tornar viável o ritmo de ambos os ventrículos, já que atualmente apenas o ventrículo direito é estimulado devido a vários fatores. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Medgadget.

Em que pese a utlização exemplificada seja para uso cardíaco, não há dúvida que a evolução em breve chegará ao parkinson, aliada ao dispositivo de implante apresentado abaixo. O problema será arranjar espaço disponível no cérebro, talvez sob o couro cabeludo, o que seria uma protuberância não maior do que as experienciadas hoje na conexão dos eletrodos com a cablagem vinda do gpi.

segunda-feira, 5 de junho de 2017

SandShark âncora para fixação de neuroestimuladores de pulsos


JUNE 5TH, 2017 - A maioria dos sistemas de neuroestimulação implantáveis consistem em um gerador de pulso, que parece um marcapasso, e os fios de eletrodos através dos quais a corrente elétrica é entregue. A Stimwave Technologies, de Ft Lauderdale, na Flórida, desenvolveu sistemas de neurostimulação em que apenas o componente eletrodo é implantado, enquanto a energia é entregue de forma sem fio através de um dispositivo separado colocado contra a pele perto do implante.




Agora, o sistema de âncoras injetáveis ​​percutâneas da SandShark da empresa foi aprovado na Europa, e ajuda a afixar os neuroestimuladores sem fio implantáveis ​​da Stimwave dentro do tecido alvo.

A implantação é um procedimento minimamente invasivo que pode ser realizado em um ambiente ambulatorial. Envolve primeiro a injetação do estimulador, que tem apenas alguns milímetros de comprimento, e depois desliza o SandShark sobre o implante e empurra-o para os ligamentos ou outros tecidos conjuntivos rígidos. A âncora pode ser vista sob fluoroscopia de raios-X, e uma vez no lugar, o mecanismo é ativado para abrir as asas da âncora para que esta seja travada no lugar. A orientação do implante é preservada durante o processo, ajudando a garantir que ele esteja alinhado adequadamente com os nervos alvo próximos. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Medgadget.

Mas confesso que não entendi direito como é o método de colocação do gerador de pulsos (seria tipo uma fisga de arpão de caça submarina?), mas se facilitar a colocação, dispensando de certa forma a cirurgia, trataria-se de um grande avanço. Com isso, quando e se aplicável ao parkinson, a cirurgia dbs resumiria-se à colocação dos eletrodos no núcleo subtalâmico, se for o caso. A alimentação elétrica do gerador de pulsos se daria remotamente, provavelmente ondas de rádio ou microondas. Não teríamos os fios passando pelo lado interno do pescoço e por trás da orelha. Facilitaria em muito a vida de quem tem que substituir o gerador por esgotamento da bateria, o que dispensaria a cirurgia a cada troca de gerador de pulsos.